Entrevista com brasileira que mora no Canadá – parte 2

Este post já foi lido 647 vezes desde 27/06/2015

Depois da parte 1, veja agora a parte 2 da entrevista com a brasileira Alcira Sá, que se mudou do Brasil para o Canadá e está atualmente por lá. Acompanhe:

***

5. Quais as principais diferenças culturais entre brasileiros e canadenses?

R: Nossa, essa pergunta é difícil, pois pessoas e suas culturas do mundo inteiro podem se dizer canadenses. Eu diria que, para mim, os canadenses em geral praticam o hábito da gentileza em todas as situações, ou seja, são corteses, educados, amáveis, sorridentes, seguem as regras da sociedade já com “naturalidade”, pois do contrário, são multados, falam baixo, usam todas as palavras do bom convívio em sociedade, especialmente sorry, e são muito tranquilos. Mas muitos brasileiros também são assim, certo? Então, eu não sei. E claro, aqui também existem aquelas pessoas não muito amigáveis, presentes em todos os lugares do mundo. Mas, no geral, é muito fácil lidar com os “canadenses”, eles costumam se mostrar tolerantes às diferenças e também parecem ser pessoas reservadas. Alguns comportamentos e situações são diferentes dos que estamos acostumados: pessoas que não se conhecem, apenas apertam as mãos ao serem apresentadas, compromissos com hora marcada são cumpridos na hora marcada, festinha tem hora para começar e terminar, e em geral duram três horas. Você deve retirar os sapatos ao entar nas casas. Os vizinhos se apresentam e se cumprimentam amigavelmente. Pessoas desconhecidas não devem “encarar” outras pessoas, ou se aproximar demais fisicamente. Não se pode ingerir bebida alcoólica nas ruas, apenas dentro de bares, restaurantes e lares. Não é permitido circular em locais públicos bêbado. Bebida alcoólica tem loja específica para ser comercializada e só a maiores de idade. Em escadas rolantes, você deve se manter à direita, deixando a esquerda livre para passantes. Ensinos fundamental e médio são gratuitos e de ótima qualidade, e o ensino superior é pago. Cursos técnicos são valorizados. Trabalhos de base são muito valorizados. Crianças de 12 anos e menos, não podem ficar desacompanhadas nunca, inclusive dentro de casa. É recomendado que as crianças estudem em escolas próximas às suas casas. As crianças sempre estudam inglês, matemática, ciências e sociais, mais educação física, e devem escolher mais três cursos de sua preferência para completar a grade curricular. O horário escolar é das 8:30 às 15:30 H. O sistema de saúde é público e de qualidade. Cada família tem seu médico de família que irá cuidar de tudo sobre a sua saúde, inclusive se e quando você irá se consultar com um especialista. Não existem empregados domésticos. Você mesmo faz todo trabalho doméstico. Há inúmeros utensílios e produtos que facilitam muito esse trabalho. Detalhe interessante: você é responsável em manter a calçada de sua moradia sem acúmulo de neve e você tem até 24 horas para limpar a calçada depois que a neve para de cair. Em geral, crianças e adultos levam o lanche e o almoço de casa, algo prático e às seis ou seis e meia da noite fazem uma refeição maior e quente em casa, todos juntos. O recolhimento do lixo acontece uma vez por semana, quando você deve ter posto seus dois “tonéis”, um preto para o lixo não reciclável e um outro azul para o lixo reciclável, no lugar certo para o recolhimento realizado por dois caminhões distintos e seus respectivos motoristas que guiam todo o processo de suas cabines. Você compra a placa do seu carro e ela acompanha você e suas trocas de carro. E muitos outros detalhes. A cidade de Calgary foi muito bem planejada. Tudo foi e é pensado com cuidado e antecedência. Então, cada região tem suas escolas, creches, clínicas de atendimento médico para casos simples, pequenos centros comerciais, lindo e bem cuidados parques, centros comunitários, bibliotecas públicas, estações de trem (os quais passam a cada cinco a dez minutos, dependendo da hora e dia), paradas de ônibus (também com hora certa), esses meios de transporte não são lotados, etc. Tudo muito bem organizado, bem cuidado e de médio a alto padrão. É tudo limpo, bonito, seguro, tranquilo e funciona maravilhosamente bem. Posso dizer que quase tudo citado acima faz muito sentido para mim e estou muito confortável e satisfeita com tudo que envolve minha nova vida aqui em Calgary.

Veja também:  Entrevista com brasileira que mora no Canadá - parte 1

bandeira Canadá

 6. Você tem notado uma melhora significativa no seu inglês desde que foi morar no Canadá?

R: Sim! Eu estudo em uma escola mantida pelo governo canadense, ou seja, estudo inglês de graça das nove da manhã às três da tarde, direto, com intervalo para um pequeno almoço. A proposta é muito boa. São cinco professores diferentes para os diversos segmentos: escrita, leitura, escuta e fala. Mais um professor para conhecimentos gerais do país e sua cultura. Tem um professor que trabalha especialmente as contrações inglesas. Nossa! Não seriam essas contrações um outro idioma, não? Confesso que não gosto dessas contrações, e aliás, aprendi que, como inglês não é a nossa língua materna, fazer uso dessas contrações inglesas sem domínio da língua soa estranho, antinatural e até inadequado. Mas essas contrações são usadas e ouvidas “nas ruas” e isso, às vezes, é assustador, pois é difícil de entender. Então, é preciso ter conhecimento sobre elas e seguir aprendendo sempre, pois o caminho é longo. O que facilita e muito é o uso do que é aprendido. Você aprende com naturalidade e facilidade, pois precisa se fazer entender o tempo todo. Então, aprender inglês assim é muito mais fácil.

Veja também:  Entrevista com blogueiros Diego Cassiolato, do blog Inglês com Rock

***

Esta foi a parte 2 da entrevista com a Alcira. Amanhã a terceira e última parte.

Até mais,

Ueritom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *