Entrevista com professora de inglês – parte 1

Este post já foi lido 1573 vezes desde 27/06/2015

Há alguns dias perguntei na página do blog no Facebook se havia algum professor ou professora de inglês em escola regular na página, pois eu tencionava entrevistar esta pessoa para que ela desse o seu ponto de vista sobre o ensino de inglês nas escolas e contasse um pouco de suas experiências.

Após alguns contatos, tive contato de duas professoras, uma do Piauí e outra do Rio Grande do Sul. Ambas lecionam tanto em escola pública quanto em escola particular, e assim podem fazer um comparativo entre as duas “realidades”.

Hoje estou publicando a entrevista com a professora piauiense. É a Jerlany Seba, que mora em Teresina. Ela foi a primeira a enviar as respostas e será publicada primeiro. Assim que a outra professora enviar as respostas dela também, publicarei para fazermos um “paralelo” entre duas regiões diferentes do país. Seguem as respostas dela:

***

1.     NOME, IDADE, ONDE MORA.

R: JERLANY DOS SANTOS SÉBA OLIVEIRA DO NASCIMENTO, 44 ANOS, MORO EM TERESINA, PIAUÍ.

2.     VOCÊ DÁ AULA DE INGLÊS PARA QUANTOS ALUNOS, APROXIMADAMENTE?

R:  EM CADA SALA , APROXIMADAMENTE  40 ALUNOS. ATUALMENTE TRABALHO NA REDE PRIVADA COM 3 TURMAS E NA REDE PÚBLICA COM 14 TURMAS.

aulas de ingles no Brasil

3.     HÁ QUANTO TEMPO VOCÊ LECIONA? COMO FOI O COMEÇO?

R: LECIONO  HÁ 25 ANOS.   INICIEI COM TURMAS DE ENSINO FUNDAMENTAL, COM CRIANÇAS DE 10 A 11 ANOS. NA ÉPOCA, O INTERESSE ERA MAIOR NO APRENDIZADO EM GERAL. ACREDITO QUE ISSO SE DAVA POR CAUSA DA MENOR QUANTIDADE DE ESTÍMULOS EXTERNOS QUE OS ALUNOS TINHAM. ISSO FOI EM 1987, ANO EM QUE A INTERNET NÃO ERA  DE ALCANCE A TODOS.

4.     VOCÊ SE CONSIDERA EM QUE NÍVEL DE INGLÊS?

R: NÍVEL MÉDIO, POIS COMO POUCO PRÁTICA, A MINHA FLUÊNCIA NA LÍNGUA FALADA  NÃO É DO NÍVEL QUE EU DESEJARIA.

5.     QUAL É A MÉDIA DE IDADE DOS SEUS ALUNOS? ELES SÃO INTERESSADOS NAS AULAS?

R:   DE 11 A 15 ANOS. LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO A MAIORIA, EU DIRIA QUE O INTERESSE É MUITO PEQUENO, MAS ISSO SE REFLETE EM OUTRAS DISCIPLINAS TAMBÉM. O DESINTERESSE, A  MEU VER , SE DEVE PELA POUCA COBRANÇA DA LÍNGUA INGLESA  EM TESTES DE INGRESSO AO NÍVEL SUPERIOR. BEM SE VÊ NO ENEM, QUE SE LIMITA A MÍSERAS 5 QUESTÕES QUE EXPLORAM TEXTOS, É CLARO, MAS DE UMA FORMA BASTANTE SUPERFICIAL.

6.     VOCÊ DÁ AULA TANTO EM ESCOLA PÚBLICA QUANTO EM ESCOLA PARTICULAR. QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS (FORMA DE ENSINO, NÍVEL DE INTERESSE, ETC) ENTRE AS DUAS ESCOLAS?

Veja também:  Entrevista com blogueiros - Eduardo Souto do blog Você pode falar inglês

R:  EM RELAÇÃO À FORMA DE ENSINO, NÃO HÁ MUITA DIFERENÇA VISTO QUE EM AMBAS EU DISPONHO DE RECURSOS DIDÁTICOS COMO DATASHOW, COMPUTADORES, LIVROS, DICIONÁRIOS, ENFIM, MEUS ALUNOS  TÊM MATERIAL DE QUALIDADE. O QUE IMPOSSIBILITA UM APRENDIZADO MAIS ADEQUADO NAS ESCOLAS PÚBLICAS É A PÉSSIMA CONDIÇÃO EM QUE ELAS SE ENCONTRAM. AQUI EM TERESINA, POR EXEMPLO, DOU AULAS PELA MANHÃ E TARDE. NESSA ÉPOCA DO ANO FAZ CALOR DE 40° E NAS SALAS DE AULA NÃO TEM SEQUER VENTILADOR. NO ENSINO PÚBLICO, AS CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS SÃO MAIS INTERESSADAS OU MAIS CURIOSAS E RESPONDEM MELHOR AO ENSINO DE UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA.

7.     QUAL A SUA MAIOR DIFICULDADE AO ENSINAR INGLÊS AOS SEUS ALUNOS?

R:  EM ESCOLA PÚBLICAS, TALVEZ SEJA RELACIONAR O ENSINO AO COTIDIANO DELES, JÁ QUE  INTERNET  E INTERCÂMBIOS SÃO COISAS DISTANTES AINDA PARA ELES. EM ESCOLA PARTICULAR, A POUCA COBRANÇA DA LÍNGUA EM TESTES DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR.

8.     SEUS ALUNOS CONSEGUEM PERCEBER A IMPORTÂNCIA DE SE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA?

R: ALGUNS, NÃO DIRIA A MAIORIA. MAS NESSE TEMPO EM QUE EU DOU AULA, ALGUNS SE INTERESSAM BASTANTE E HOJE SÃO MEUS COMPANHEIROS DE SALA DE AULA.

9.     O QUE VOCÊ ACHA QUE SERIA NECESSÁRIO MUDAR PARA QUE SE HOUVESSE UMA MELHORA NA QUALIDADE DO ENSINO NO GERAL E DE INGLÊS EM PARTICULAR?

R: UMA REFORMA CURRICULAR NAS ESCOLAS DE ENSINO BÁSICO EM QUE SE PRIORIZASSE O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NO ASPECTO DA FALA E NÃO SÓ LEITURA E ESCRITA. PARA ISSO, TERÍAMOS QUE TER SALAS DE AULAS COM NÚMERO REDUZIDO DE ALUNOS, LABORATÓRIOS DE LÍNGUA, CARGA HORÁRIA EXTENSA.

professor de ingles

10. VOCÊ TEM ALGUMA “TÁTICA” PARA DEIXAR OS SEUS ALUNOS MAIS INTERESSADOS NAS AULAS?

R: COSTUMO RELACIONAR O INGLÊS AO COTIDIANO E TRABALHO COM ATIVIDADES PRÁTICAS COMO COLAGEM, RECORTE DE REVISTAS, LEITURA DE  LIVROS, QUADRINHOS, ETC.

11. VOCÊ JÁ FOI OU MOROU EM ALGUM PAÍS DE LÍNGUA INGLESA? CASO SIM, QUAL? CASO NÃO, PRETENDE IR ALGUM DIA?

R:AINDA NÃO. CASO FOSSE, INGLATERRA.

12. VOCÊ UTILIZA A INTERNET COM FREQUÊNCIA PARA BUSCAR NOVOS CONTEÚDOS OU IDEIAS AOS SEUS ALUNOS? CASO SIM, QUE SITES COSTUMA CONSULTAR?

R:SIM, COM BASTANTE FREQUENCIA. GERALMENTE A MINHA BUSCA É VARIADA, MAS ACESSO COM MAIS FREQUENCIA O pt.islcollective.com e BREAKINGNEWS.COM.

 13. ALGUMA CONSIDERAÇÃO FINAL?

R: EXCELENTE A SUA INICIATIVA E OBRIGADA POR FORNECER INSTRUMENTOS DE CONSULTA E TORNÁ-LO ACESSÍVEIS.  QUANDO PRECISAR, ESTOU A POSTOS.

***

Veja também:  Entrevista com blogueiros: Ana Luiza Bergamini do blog Inglês Online

Obrigado à Jerlany pelo seu interesse em dar esta entrevista ao blog. Espero que tenham gostado.

Até mais,

Ueritom

Um comentário em “Entrevista com professora de inglês – parte 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *