Learning English: What Works? (Speaking – parte 1)

Este post já foi lido 1381 vezes desde 27/06/2015

Conforme prometido semana passada, hoje publico o segundo post da série de 4 posts escritos pela Lisa Biskup, do English Fluency Now. Hoje ela fala sobre o speaking, que é a habilidade de falar em inglês. Como na semana passada, será dividido em 2 partes, para que o post não fique extenso.

Caso você não tenha lido o post da semana passada, que fala sobre listening, veja aqui (parte 1) e aqui (parte 2). Segue o texto da Lisa:

***

Parte 2 – Speaking

No primeiro artigo desta série, eu escrevi sobre a importância de ouvir um inglês no qual você consiga entender a maior parte do que é dito (input compreensível), para acostumar os seus ouvidos aos “sons do inglês” e, o mais importante, ser capaz de entender o que você está ouvindo.

Antes que você possa falar bem, você deve entender o que você está ouvindo.

Gastar muito tempo ouvindo “input compreensível” é o primeiro (e mais importante) passo para se tornar um excelente falante da língua inglesa.

Falar envolve produzir uma linguagem compreensível.

O principal motivo para se falar inglês é para ser capaz de se expressar e se comunicar com outras pessoas, tanto na forma de apresentação quanto na forma de conversação com uma ou mais pessoas.

Quando você era bebê, você passou vários meses da sua vida apenas escutando, e então você começou a balbuciar. Você fazia sons que não eram compreensíveis a ninguém. Ocasionalmente, você começou a dizer palavras que as pessoas conseguiam entender, e daí para a frente, você adquiriu cada vez mais vocabulário e expressões, e então você pôde se comunicar com os outros.

Veja também:  Alunos!! Não desistam!!

English speaking

Estudantes que fazem imersão em outro idioma ou cultura geralmente têm uma experiência similar. Por exemplo, quando eu fiz um intercâmbio de estudo na Espanha, eu passei os 3 primeiros meses literalmente ouvindo, sem falar quase nada, mas quando comecei a falar, eu era fluente e tinha um bom sotaque. Seis meses depois, um motorista de táxi em Barcelona achou que eu era da Espanha!

Quando começar a falar?

No ciclo de ensino e aprendizado de idiomas, existe sempre um grande debate sobre quando você deve começar a falar. Será que você deveria seguir o exemplo de uma criança, passando horas e horas apenas ouvindo, sem sequer tentar falar, ou você deve iniciar falando desde o primeiro dia que começa a estudar um novo idioma?

Existem prós e contras em ambas as abordagens, mas eu acho que você precisa responder esta questão sozinho. As perguntas abaixo vão te ajudar a decidir qual abordagem seguir:

  • Qual o motivo de você estar estudando inglês (estudar no exterior, obter um emprego melhor, passar num teste)?
  • Qual é o seu objetivo em relação à língua inglesa (nível de inglês acadêmico/profissional, inglês para turistas, inglês básico)?
  • Quanto tempo você pretende levar para atingir este objetivo (1 mês, 3 meses, 1 ano)?
  • Quando tempo você terá que se dedicar diariamente para aprender inglês (1 hora por dia, 5 horas por dia, o dia todo)?

Baseado nas suas respostas a essas perguntas, você pode criar um plano de estudo para si mesmo.

***

Veja também:  Vai para os EUA? Então seja "generoso" :)

Essa foi a parte 1 do artigo da Lisa. Amanhã teremos a parte 2. Se você quiser, pode baixar o texto original em inglês, enviado por ela, clicando abaixo:

[wpdm_file id=14]

Aproveite também para conhecer o site da Lisa, que tem bastante coisa interessante.

Até mais,

Ueritom

4 comentários em “Learning English: What Works? (Speaking – parte 1)

  • 20 de fevereiro de 2014 em 12:28
    Permalink

    Essa questão de quando começar a falar me parece bem controversa, já que não existe um consenso entre os professores, blogueiros e especialistas.
    Muita gente defende a ideia de que só deveremos começar a falar, após nos sentirmos confortáveis para tanto, depois de ter adquirido um bom input através da leitura e do listening.
    Outros, contudo, acham que se deve começar a falar praticamente desde o inicio, from scracht, as they say, sob a alegação de que o objetivo final de qualquer idioma é a comunicação – ou seja, speaking.
    Outra questão também polemica e o listening. Muitos, como é o caso da nossa entrevistada, acham que so devemos ouvir o que conseguimos entender. De outra forma seria uma perda de tempo. Outros, contudo, acham que devemos ouvir praticamente de tudo, desde que o assunto seja de interesse do ouvinte, mesmo sem entender muita coisa, com o objetivo de familiarizar-se com a intonação e ritmo da linguagem.
    Enfim, e difícil formar um juízo final a respeito.
    Obrigado pela atenção

    Resposta
    • 21 de fevereiro de 2014 em 09:37
      Permalink

      Sérgio, minha opinião é que cada caso é um caso, e que cada “especialista” fala o que acredita ser a melhor alternativa, ou talvez a que funcione melhor para si ou para os seus alunos. Cada pessoa aprende de um jeito, então não dá para generalizar.

      Tem gente que acha que é necessário ensinar gramática para aprender inglês, enquanto outras pessoas acham que isso é perda de tempo. Varia conforme cada caso, cada pessoa, cada escola..não tem como ter um consenso sobre isso, pois não é uma ciência exata.

      Obrigado por comentar e volte sempre ao blog! Sinta-se à vontade para comentar quando quiser também..

      Ueritom

      Resposta
    • 21 de fevereiro de 2014 em 14:56
      Permalink

      Hi Sergio,
      Yes, it is very controversial. Like with most topics, there is no single “right” answer or “best” way of doing things.

      If you look beyond “marketing claims” which try to sell products, you will see that some methods in fact do work better than others, but you absolutely must find the method that works for YOU. Usually it is the one that you will actually do!

      People mostly speak from their own experiences, and each language learner finds what works for them. Some prefer to speak right away and fuddle their way through and others spend a lot of time listening and acquiring a good feel for the language and work on comprehension first.

      However, there is one thing that seems true for anybody – you must do something. So whether you spend more time listening or you jump right in to speaking, doing something regularly and consistently, day after day, will help you progress.

      Thanks for your comment!
      Lisa

      Resposta
  • Pingback: Learning English: What Works? (Speaking - parte 2) | Inglês para LeigosInglês para Leigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *